Barry Gray “Space 1999” (1976)

A banda sonora da primeira temporada “Espaço 1999” foi assinada por Barry Gray, um compositor britânico e colaborador habitual do criador da série . A música vai do ‘disco’ a tonalidades ‘ambient’ e orquestrais e chegou a disco logo em 1976. Texto: Nuno Galopim

Depois de ter criado uma sucessão de séries de aventuras – usando bonecos e modelos – ao longo de toda a década de 60, Gerry Anderson dava novos passos na ficção científica de imagem real em UFO, que a ITV apresentou entre 1970 e 71. Seria contudo o passo seguinte que, apesar dos momentos já assinados em Thunderbirds ou Captain Scarlet, inscreveria o seu nome entre os maiores da história sci-fi contada no pequeno ecrã. Num projeto que envolveu várias frentes de financiamento – no Reino Unido e Itália – e tendo desde cedo a vontade de atuar no mercado dos EUA (daí a presença dos atores norte-americanos Martin Landau e Barbara Bain como protagonistas), apresentou em Espaço 1999 (Space 1999 no original) uma das mais interessantes entre as muitas criações que o universo da ficção-científica nos deu antes do ano histórico em que os feitos de Star Wars e Encontros Imediatos de Terceiro Grau transportavam definitivamente estes domínios a plateias bem mais vastas.

A ação centra-se numa base lunar que tem por um lado uma missão científica de investigação e, por outro, a gestão dos lixos nucleares que são enviados da Terra e depositados em zonas da face escura da Lua. É de um problema com o armazenamento destes depósitos que eclode uma reação em cadeia que catapulta a Lua para fora da órbita terrestre e, a bordo, a base Alpha… Estava assim encontrado um modelo alternativo de veículo que conduzisse o homem rumo a outros lugares, ora encontrando povos diferentes ora reflexos e ecos da própria humanidade, revelando a primeira época frequentes momentos de reflexão e diálogo mais próximos de modelos da literatura sci-fi do que de enredos de ação. Gerry Anderson usou da melhor forma a sua veterania no domínio do trabalho com modelos para criar uma base e naves de design e desempenho cativante. O design e o guarda roupa ajudaram a criar uma imagem (de marca). E um naipe de personagens com espaço para se afirmarem entre as narrativas apresentadas ajudou a criar um corpo sólido que sustentaram duas épocas de produção que, entre nós, causou um fenómeno de popularidade ímpar entre um género até ali sem representação nos pequenos ecrãs nacionais e que, depois desta experiência, teve continuidade numa série de outras exibições, entre elas as de séries como Star Trek, A Nave Orion, Blake’s 7, As Aventuras de Buck Rogers no Século XV ou Galactica, entre algumas outras mais.

A música criada para a primeira temporada de Espaço 1999 conheceu edição em disco logo em 1976, num álbum que juntava momentos de vários episódios memoráveis. O tema do genérico, em contemporâneo clima disco (e, há que sublinhar, antes mesmo da euforia decretada por Saturday Night Fever) fez história e na verdade ditou algumas contaminações, sobretudo em sequências de ação. Num extremo oposto, o tema mais contemplativo que frequentemente se escutava perante planos gerais do exterior e interior da nave parecia escutar uma ideia da então emergente música ambiental, com travo cósmico (e pontual presença de electrónicas). O grosso da banda sonora é contudo uma expressão da mais clássica escola orquestral que o cinema entretanto desenvolvera e que não esquece sequer a ideia de leitmotif que assim nos ligava a personagens, lugares ou ao próprio universo da série. A música que se escuta neste disco é toda ela assinada por Barry Gray, um compositor britânico que tinha feito sobretudo carreira a escrever e arranjar música para peças de teatro, cinema e, sobretudo, produções para televisão, ao mesmo tempo que foi desenvolvendo uma parceria com a cantora Vera Lynn. Barry Gray era já um colaborador regular das criações para TV de Gerry Anderson e teve em Espaço 1999 a sua última parceria com o criador da série. Além do genérico o álbum recolhe excertos da música de episódios como Breakaway (o primeiro, no qual vemos a Lua a afastar-se da órbita da Terra), Matter Of Life and Death, Black Sun (o mais filosófico da série), Another Time Another Place, War Games, Mission of The Darians ou The Last Sunset. A capa do LP apresenta, sobretudo no interior (do formato gatefold) uma série de fotos de momentos icónicos da primeira temporada, juntando ainda uma sinopse na contracapa.

A série teve depois uma segunda temporarda, bem distinta da primeira. Na segunda notan-se um apertar do cinto no departamento de art direction – há novos cenários, entre eles uma missão de comando mais de dieta –, novas opções no guarda-roupa, episódios com mais vitaminas de ação e relações entre personagens mais estereotipadas e, como valor maior, o aparecimento de Maya, uma alienígena com capacidades mutantes que se junta ao núcleo central de personagens. A banda sonora desta segunda temporada e a de telefilmes entretanto criados passava mais longe do travo space disco da original e era assinada pelo músico de jazz Derek Wadsworth, havendo depois uma série de contribuições pontuais de Ennio Morricone. Mas tal como a primeira série havia desencorajado os executivos, também a segunda acabou com um ponto final, este contudo definitivo. O culto ficou e as repetições alicerçaram um relacionamento continuado com os episódios (entre nós foi nestas repetições que, além da caderneta de cromos, aquelas imagens ganharam cor, já que quando a série foi estreada na RTP ainda vivíamos nos tempos do preto e branco).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.