Que cuidados devemos ter ao acondicionar os discos em vinil?

Como devemos acondicionar os discos em vinil e, depois, arrumar? Esta é uma questão com resposta em duas partes. Hoje fica aqui a primeira, com uma série de sugestões de cuidados a ter em conta para proteger os discos em vinil. Texto: Nuno Galopim

Há uma pergunta muito frequente entre quem coleciona (ou acumula) discos: como os proteger e arrumar? A resposta tem de ser dada em dois passos. Num primeiro há que ter em conta um bom acondicionamento dos discos e, por isso, saber os cuidados a ter. No segundo a coisa tem mais a ver com critérios de arrumação. E, neste segundo caso, ninguém melhor que o gosto ou interesses de cada um para definir a melhor maneira de os arrumar… Lá iremos num outro texto

Comecemos hoje pelos cuidados a ter com o vinil… E para arrumar ideias fui ler uma série de artigos, alguns deles tendo-se servido de fontes junto de grandes coleções (alguns links estão mais abaixo). Ou seja, supostamente estão bem informados. Vamos lá caso a caso:

Ambiente. Os discos não gostam nem de calor a mais ou a menos. A temperatura ambiente das nossas casas serve perfeitamente para os preservar. Convém que não fiquem expostos ao sol (sob perigo de se deformarem) nem a frio extremo (porque podem depois ficar mais frágeis). É bom ter os discos num ambiente com humidade controlada (se mais seco for o ambiente, melhor). A exposição direta à luz é também sempre de evitar.

Acondicionar. Os discos em vinil devem ser arrumados verticalmente, evitando contudo que fiquem demasiado apertados nas prateleiras ou caixas onde estão guardados. O excesso de pressão pode ser nocivo. Deixar, portanto, algum espaço livre (mas também não em demasia)… Empilhar discos é de evitar absolutamente! Há colecionadores que recomendam que não se guardem os discos em vinil de formatos diferentes em conjunto (uma vez mais por causa da pressão diferente que possa ser exercida entre si).

Proteger. A utilização de capas protetoras ajuda, de facto, a preservar os discos. Há capas protetores interiores (de papel ou plástico) e exteriores. Há quem guarde os discos em capas interiores e os coloque, ao lado (e não dentro) das capas, dentro de uma capa exterior.

Guardar. Aqui há um vasto leque de possibilidades, começando por uma boa dose de prateleiras. Há quem as encomende à medida para acondicionar os vários formatos (vinil de 12 polegadas, vinil de 7 polegadas, cassetes e CD). Foi precisamente o que fiz… Há quem use gavetas (igualmente com medidas certas) para guardar discos. Ou caixas. E no reino das caixas há desde as que têm medidas semelhantes aos singles e LP já disponíveis em lojas de casa e decoração até outras destinadas a colecionadores e DJ, das quais há sempre publicidade em algumas revistas mais dedicadas aos colecionadores, nomeadamente a Record Collector, Goldmine ou Long Live Vinyl.

Para colecionadores mais exigentes aqui fica um artigo bem detalhado publicado na plataforma Discogs.

E aqui fica o guia de cuidados com discos da Biblioteca do Congresso.

E aqui um guia ilustrado com alguns cuidados

Posso acrescentar que, no meu caso, tenho em atenção as condições ambientais em que guardo os discos em vinil, estando os LP e máxis em prateleiras, na maior parte em armários expressamente criados (alguns deles montados) para o efeito, o mesmo acontecendo com os CD. As cassetes guardo naquelas velhas “estantes” de plástico feitas à medida para este formato (old school, sim). Alguns CD, DVD musicais e singles e EP de 7 polegadas estão entretanto guardados em caixas. E nos singles e EP que estão em caixas praticamente todos têm já capas em plástico para os proteger. 

É claro que cada um agirá, depois, em função do que entender quanto ao modo de acondicionar os seus discos. Já sobre a maneira de os arrumar, para a semana falaremos…

2 pensamentos

  1. Único conselho adicional: o plástico exterior para proteger a capa – especialmente em PVC – não deve ser usado por quem mora em locais húmidos. Nesse ambiente, o PVC propaga fungos e consegue até penetrar no disco através da capa, manchando-o e criando ruído de fundo. Eu, que moro no Rio de Janeiro, tive de deitar para o lixo todos os plásticos exteriores. Descobri que muitas capas já apresentavam manchas de fungos… cuidado!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.