59. Patrick Cowley “Megatron Man” (1981)

Este é o número 59 da lista “100 Discos Daqueles que Raramente Aparecem nas Listas”… Editado em 1981 fixou a visão com travo ‘sci-fi’ de uma música de dança com alma pop que então era criada por Patrick Cowley, um dos mestres do hi-nrg. Texto: Nuno Galopim

Patrick Cowley foi um dos mais importantes pioneiros na construção de uma relação entre as eletrónicas e as pistas de dança, com presença sobretudo determinante na definição de descendências do disco que emergiram então entre Nova Iorque e, sobretudo, São Francisco, em finais dos anos 70 e inícios dos anos 80, ganhando então a designação de hi-nrg. Autor de algumas pérolas maiores da música de dança desse tempo, muitas delas na voz de Sylvester (com quem colaborou ativamente), criou também uma obra a solo, que se revelou álbuns Menergy (1981), Megatron Man (1981),  e Mind Warp (1982), este último já criado numa etapa avançada da doença (seria, em finais de 82, uma das primeiras vítimas de sida entre o mundo da música).

Se em Menergy se define um caminho e esboça uma linguagem (com um pontual piscar de olho a uma nova ideia de pop eletrónica em I Wanna Take You Home), em Megatron Man escutamos claros sinais do afinar de uma ideia. A canção tema abre o lado A, em expressão firme de terrenos hi-nrg que se mantém evidentes em Sea Hunt seguindo-se, em Teen Planet, uma proposta de diálogo entre estas novas formas e ecos da cultura pop/rock. A face B abre com Get a Little, tema que evidencia um labor cenográfico para sintetizadores, e Lift-Off, onde, tal como em Megatron Man, se vincam as metáforas sci-fi que fizeram associar a música de Patrick Cowley aos universos do space disco e suas descendências diretas. A fechar, uma nova incursão pelas formas da canção pop em Thank God For Music. As canções, mais extensas do que as que habitualmente se escutavam, nos singles (e nas rádios) traduzem nessa duração uma preocupação pelas necessidades do DJ, vincando assim o disco (tal como o anterior) um exemplo de como as experiências dos primeiros máxis estavam a chegar ao formato de LP. As edições em CD frequentemente juntaram no mesmo alinhamento os álbuns Menergy e Megatron Man.

Algo esquecido durante anos, Patrick Cowley ganhou um merecido estatuto de referência quando, depois de citado por nomes como os Pet Shop Boys ou New Order, os cultores do space disco (em particular Lindstrom) o redescobriram já depois da viragem do milénio. Um reencontro com a sua obra começou então por se fazer em reedições, às quais se começaram a juntar, depois, várias compilações de material inédito.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.