Steve Reich, “Drumming”

Drumming, de 1971, é, apesar de tida como uma obra de transição, uma obra central na história de Steve Reich (n. 1937). Peça para instrumentos de percussão e vozes, foi a última das obras de uma etapa inicial na qual o compositor norte-americano centrou a sua atenção no desenvolvimento do conceito de “phasing”, que criara e desenvolvera nos anos 60. Em linhas simples, este conceito parte do facto de dois (ou mais músicos, ou gravadores) partirem de uma frase musical original, tocada em uníssono, um deles depois atrasando o “tempo”, colocando as frases numa situação de “desfaseamento”, podendo depois, eventualmente, regressar a ouvir-se em “fase”… Drumming nasceu na sequência de uma viagem que Reich fez ao Gana (na África Central), durante a qual foi acompanhado pelo mestre percussionista Gideon Alerwoyie. Na mesma altura, em Seattle, estudou gamelão (instrumento muito usado na música do Bali, na qual se exploram padrões de repetição). Da assmiliação destas experiências surgiu esta obra que, distinta das peças mais complexas que criou depois, se destaca já da austeridade mais evidente das que compusera nos anos 60. Data desta altura a criação de um ensemble (o Steve Reich and Musicians), que lhe permitiu assim a interpretação ao vivo desta e outras obras. É de referência a gravação que Steve Reich e o seu ensemble fizeram desta obra, editada em 1987 pela Nonesuch, e que na verdade corresponde à segunda leitura de “Drumming” fixada em disco, correspondendo a primeira a uma editada em 1974 pela Deutsche Grammophon.

Um dos quatro “pilares” do minimalismo norte-americano (os outros três sendo La Monte Young, Terry Riley e Philip Glass), Steve Reich nasceu em Nova Iorque, onde ainda hoje vive. Depois de ter estudado com, entre outros, Luciano Berio e Darius Milhaud, Steve Reich foi fortemente influenciado por Terry Riley, com quem chegou a trabalhar em inícios dos anos 60, tendo estado directamente ligado à estreia mundial do hoje “histórico” In C. Pouco depois estava a explorar, num outro contexto, reflexões semelhantes sobre padrões musicais. As primeiras manifestações claras de novas ideias manifestam-se em 1965 e 66, respetivamente em It’s Gonna Rain e Come Out, trabalhos de manipulação de gravações, nos quais cria e explora, pela primeira vez, o conceito de “phasing”. Depois de Drumming (1971), procurou outros horizontes e desafios, criando obras para pequenos e grandes ensembles, mais tarde orquestras e voz, e em alguns casos retomando uma antiga ligação com o trabalho de fita magnética.

Drumming tem uma duração que se pode calcular entre os 55 e 75 minutos, em função do número de repetições pretendido pelos músicos. Explorando não apenas as batidas, mas também as pausas, a peça divide-se em quatro partes, cada qual com conjuntos diferentes de instrumentos, todos eles depois reunidos na última. A obra é frequentemente interpretada em palco por ensembles de percussão, acompanhados por um pequeno coro. Há também ocasiões nas quais a performance é acompanhada, no mesmo palco, por uma coreeografia. Laura Dean e Anne Teresa de Keersmaeker já colaboraram em coreografias para performances dirigidas pelo próprio Steve Reich.

Esta gravação, editada em 1987 pela Nonesuch, conheceu, logo de raiz, lançamentos em LP e CD. Recentemente surgiu no mercado uma reedição americana em LP que reproduz o grafismo deste lançamento original.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.