Victor Kissine “Between Two Waves” (2013)

O catálogo da ECM tem acolhido alguns dos mais interessantes (ou pelo menos os mais interessantes dos que conhecemos) entre compositores nascidos ou criados nos espaços da antiga URSS. Basta citar nomes como os de Arvo Pärt (nascido na Estónia), Valentin Silvestrov (na Ucrânia) ou Giya Kanchelli (Geórgia) para termos rápida expressão de um quadro de figuras absolutamente marcantes no panorama atual da composição musical. A estes nomes podemos juntar mais um. Tal como Pärt (que desde 1980 encontrou casa em Berlim), também o russo Victor Kissine (n. 1953) há muito deixou a cidade e o país onde nasceu, residindo com a família na Bélgica. Porém é das memórias que guarda da São Petesburgo (outrora Leninegrado) onde nasceu e cresceu que brotou parte da inspiração que junta as obras que a ECM editou em 2013 sob o título comum Between Two Waves.

Explicava então o próprio compositor – que é também professor de análise e orquestração no conservatório de Mons – que as memórias dos espelhos que recorda nos canais gelados das águas do rio Neva e das próprias águas do mar nos Invernos da sua infância são talvez a matéria que cruza as três peças que este disco agora junta. Peças que liga ainda a referencias à música de Bach ou Schubert e, naturalmente, a Gidon Kremer (e à sua Kremerata Baltica), com quem as três obras foram registadas, ao vivo, no Lockenhaus Festival, em 2011, como se um ciclo então sugerissem.

Feita de presenças delicadas, sugerindo névoas e acontecimentos subtis sobretudo para piano (apenas na peça que dá título ao disco) e cordas, claramente em tons invernais, mas arrebatadoramente sedutora, a música de Kissine que escutamos entre Between Two Waves (composta entre 2006 e 2008), Duo (de 1998 a 2011) e Barcarola (esta última, de 2007, com Kremer como solista) traduz aquele raro sentido de espaço que pode ser expressão natural de um olhar sobre uma paisagem vasta, mas também um sentido de lenta melancolia que parece ser comum a muita da música (e cinema) que nos chegam da parte de quem partilha genéticas com o grande espaço da cultura russa.

Victor Kissine explicava ainda no texto que lemos no booklet que há ligações fortes entre a música que aqui escutamos e a literatura, citando em concreto nomes como os de T.S. Eliott ou Osip Mandelstam (Duo nasce em concreto de um poema seu, de 1910). Cerrando os olhos, esta é uma música que envolve e desperta imagens. Dominadas por tons brancos, sob aquela luz clara (mas fria) do Sol de Inverno. Mas que, longe de arrefecer, nos envolve e conquista. Já houve outras gravações em disco de obras de Kissine. Até mesmo em discos da ECM. Mas em Between Two Waves poderia estar finalmente o cartão de visita para uma descoberta em mais vasta escala que a sua música claramente merece. O certo é que desde então ainda não surgiu no catálogo da editora mais nenhum disco do compositor russo. E este, de 2013, apenas disponível em CD (e nas plataformas de streaming), vale uma (re)descoberta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.