Danny Elfman, “Edward Scissorhands OST” (1990)

Editada em 1990, a banda sonora de “Eduardo Mãos de Tesoura” representa um dos momentos mais inspirados do trabalho conjunto entre o compositor Danny Elfman e o realizador Tim Burton. Texto: Nuno Galopim

Natural de Los Angeles, onde nasceu em 1953, Danny Elfman tinha já uma carreira (com algum sucesso) na música, como vocalista e principal compositor dos Oingo Boingo, quando Tim Burton o desafiou a criar música para Pee Wee’s Big Adventure, a sua primeira longa metragem. O músico não estava seguro de que seria capaz de entrar num mundo diferente daquele a que estava habituado. Mas avançou, contando com algum apoio do guitarrista da banda. E a coisa correu bem. Correu na verdade tão bem que se seguiram novas propostas para trabalho em cinema. E entre essas propostas houve uma série de novos trabalhos ao lado de Tim Burton. E tantas vezes colaboraram que acabaram mesmo por definir um corpo de trabalhos comuns que fez dos dois um daqueles pares de referência juntando realizadores e compositores, como Steven Spielberg e John Williams ou David Lynch com Angelo Badalamenti.

Depois desse primeiro encontro com Tim Burton a vida de Danny Elfman seguiu por dois caminhos em simultâneo. Por um lado começou a ter uma carreira regular de escrita de música para cinema. E por outro manteve ativos os Oingo Boingo, com ponto final dado em 1995. E há uns 20 anos, numa das ocasiões em que falei com o compositor, ele mesmo reconheceu que os últimos anos de vida dos Oingo Boingo foram “difíceis”, sublinhando que “os grupos deviam ser forçados a separar-se ao fim de dez anos”. E no caso da sua banda, a carreira estendeu-se por 16 anos. Datada de 1990, a banda sonora de Eduardo Mãos de Tesoura, de Tim Burton, que nessa mesma entrevista Danny Elfman apontou como a que escolheria como a melhor do trabalho conjunto de ambos, nasceu por isso num tempo de coexistência entre uma vida pop/rock e um já muito expressivo corpo de trabalho para o cinema.

Música orquestral, onírica mas também algo fantasmagórica (ideia sublinhada pelo recurso ocasional a um coro), a banda sonora que Danny Elfman criou para Eduardo Mãos de Tesoura é, a par com as canções de Nightmare Before Christmas, uma peça de referência na sua obra, já plena de marcas de identidade. Este é também um trabalho de composição que traduz bem um entendimento com a visão de um realizador. “Partilhamos raízes semelhantes, crescemos a ver os mesmos filmes, pelo que nos compreendemos mutuamente”, explicou-me nessa conversa que seria publicada no DNmais. “Temos muito em comum, nos seus filmes não é fácil encontrar o mote, o ponto de partida. Mas, para mim, procurar esse ponto quando trabalho com ele é mais um exercício de prazer do que uma luta”, acrescentou.

Sobre o que pode ter de positivo para o trabalho de um compositor esse tipo de proximidade regular com um mesmo realizador (algo que com Danny Elfman depois sucedeu também com Gus Van Sant), explicou então: “Quando se tem uma colaboração isso implica que o realizador me conceda liberdade. O que, a confirmar-se, faz com que tenha vontade de trabalhar outra vez com ele. Muitas vezes o mais difícil não é compor uma banda sonora mas ter um realizador que ceda espaço de manobra. Muitos ficam tomados por uma espécie de temor, e muitas vezes sentem medo do que não conhecem. Tanto o Tim [Burton] como com o Gus [Van Sant] tentaram não se preocupar com isso e confiaram no meu trabalho. Especialmente o Tim, que tem um cinema muito teatral que me faz responder ao que ele está a fazer. É uma linguagem que compreendo”. O trabalho entre ambos gerou, além de Eduardo Mãos de Tesoura ou do o já referido Nightmare Before Christmas (que na realidade tem realização de Henry Selick), a parceria entre realizador e compositor gerou momentos igualmente marcantes em filmes como Batman, Sleepy Hollow, Big Fish ou Charlie & The Chocolate Factory, aqui conciliando a escrita de uma partitura orquestral com a criação de novas canções.

“Edward Scissorhands (Original Motion Picture Soundtrack)” teve edição original em cassete e CD. Na Alemanha houve uma prensagem em vinil em 1990. Mais recentemente houve uma reedição em vinil nos EUA.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.