O “caso” do single que possivelmente nunca existiu

Não há colecionador de discos atento à obra de Fernando Tordo que não partilhe algo em comum: não tem nem viu nunca o single “Escrevo às Cidades”. O GiRA DiSCOS pôs-se em campo… E junta aqui o que conseguiu apurar sobre este… mistério. Texto: Nuno Galopim

Há um mistério que deixa, há já vários anos, colecionadores e admiradores de Fernando Tordo com uma dúvida: então ninguém tem o disco? O disco em questão é um eventual single com o tema Escrevo às Cidades (a canção com a Fernando Tordo qual se apresentou no VII Grande Prémio TV da Canção Portuguesa, em 1970) e que, no lado B, deveria incluir A Noite e a Ira.

O disco teve de facto uma capa fabricada. E junto da Valentim de Carvalho (VC) confirmei que o disco teve um processo aberto, mas nele não consta nunca qualquer indicação nem de stocks nem de vendas, ao contrário do que é norma em todos os lançamentos. Depois de ter falado tanto com Fernando Tordo como com Jaime Queimado juntamos outro dado importante: nenhum deles teve nunca este disco nas mãos. Bizarro no mínimo, não?

Uma vez que era prática corrente, a gravação em estúdio da canção, anterior à própria realização do festival, esta poderá ter ocorrido. Mas a gravação, a existir, não foi ainda localizada no arquivo da editora (e vale a pena sublinhar que o arquivo da VC tem vindo a ser alvo de um trabalho notável de inventariação e conservação, permitindo descobertas notáveis, como temos visto com vários lançamentos de Amália Rodrigues). Se a gravação eventualmente existir e reaparecer, certamente teremos depois boas notícias.

O mais certo é que, apesar de ter sido preparada a edição deste single, a sua prensagem em vinil nunca tenha vindo a ser concretizada (é que nem um test pressing é conhecido!). Ou seja, o disco possivelmente não existiu nunca nas lojas nem está nas mãos de colecionadores porque o mais certo é que não tenha sido prensado.

Na capa, que a editora tem em arquivo, pode ver-se o número de série PN 113, do catálogo da Decca, que era então uma etiqueta da Valentim de Carvalho. Na contracapa o nome de um dos autores da canção, Jaime Queimado, que é co-autor da música juntamente com Fernando Tordo, surge referido como José António Queimado. A letra é de Victor Manuel Oliveira Jorge. A contracapa refere ainda como “outro êxito deste artista” o single com a versão de The Windmills Of Your Mind, que nos ajuda a arrumar cronologicamente a data prevista para a sua edição. Na capa o nome do concurso da RTP é apresentado como VII Grande Prémio da Canção – 1970 (sem o “TV”).

O single surgiu já referido em alguma bibliografia, mas João Carlos Callixto, autor que lembra a memória desta canção (e procura apurar a possibilidade de existência deste single), reconhece não ter certeza sobre de se facto ele alguma vez existiu. No livro Portugal 12 pts – Festival da Canção, refere que este “seria” o quarto e último disco de Fernando na Valentim de Carvalho”. O tempo verbal é o certo e a informação está correta (porque deixa no ar a eventualidade e não a certeza). O próprio confessou já no GiRA DiSCOS que este é um dos singles que há mais tempo procura referindo-o como um disco “que aparentemente ninguém tem”, o que o “deixa bem intrigado”. Já Carlos Portelo, outro colecionador, referiu aqui, sobre este single, que “é quase impossível encontrá-lo”.

Disseram-me que ouviram dizer que existe quem teve em tempos este single… Mas a verdade é que nem todas as memórias são nítidas. O “diz que” e o que se ouve dizer não tem valor para certezas, apenas deixa a dúvida subsistir… Mas o facto é que não conheço ninguém que o tenha sequer visto uma vez que seja.

Há um dado importante a juntar a esta argumentação. Por muitos erros (sobretudo nas datas) que encontremos na plataforma Discogs, o single Escrevo às Cidades não consta na página referente a Fernando Tordo. Porque é este dado aqui mais relevante do que uma discografia publicada numa Wikipedia ou qualquer outro site? Porque quem constrói a base de dados do Discogs são sobretudo vendedores e colecionadores. Se o disco alguma vez tivesse passado pelas mãos de qualquer um, ou seja, se o tivessem para vender ou para anotar na respetiva coleção, ali poderia ter surgido… Mas não.

Não podemos afirmar categoricamente: não existe. Mas os factos apontam nesse sentido.

Uma versão, partilhada com Paulo de Carvalho, existe no EP Festival Camaradagem, editado ainda em 1970. A compilação de 2008 Os Primeiros Êxitos de Fernando Tordo e Carlos Mendes, que junta gravações de ambos na etapa que viveram a solo na VC, não inclui Escrevo às Cidades. Da passagem de Fernando Tordo pelo festival está ali apenas Cantiga, de 1969. A canção não surgiu nunca em qualquer antologia de Fernando Tordo. Existe, todavia, no arquivo da RTP, o registo da sua apresentação no VII Grande Prémio TV da Canção Portuguesa. E, convenhamos, é uma bela canção.

O ano era diferente do habitual para o concurso que, desde 1964, vinha a escolher a canção representante de Portugal no Festival da Eurovisão. Acontece que, como medida de protesto pelo sistema de votação (que ditara no ano anterior quatro vitórias ex-aequo), à qual aderiam também os países nórdicos, a RTP não se fez representar em 1970 no concurso internacional. Daí o calendário do Festival da Canção (ainda sem esse nome) ter avançado um pouco face ao habitual, tendo-se realizado a 22 de maio no Cinema Monumental, em Lisboa, quase dois meses depois do Festival da Eurovisão, realizado em Amesterdão (Holanda), tendo dado então à Irlanda a sua primeira vitória, com All Kinds of Everything.

Com Escrevo às Cidades, Fernando Tordo foi o primeiro a apresentar-se no VII Grande Prémio TV da Canção Portuguesa, que sagraria como vencedor Sérgio Borges com Onde Vais Rio Que eu Canto, com letra de Joaquim Pedro Gonçalves e música de Nóbrega e Sousa. Esta edição do festival apresentou ainda temas como a Canção de Madrugar (letra de José Carlos Ary dos Santos e música de Nuno Nazareth Fernandes, ou seja, a mesma dupla da Desfolhada que vencera no ano anterior), na voz de Hugo Maia de Loureiro. Paulo de Carvalho apresentou-se com Corre Nina (letra de Portugal Sobral e música de Pedro Osório). E com a mesma equipa criativa da canção de Fernando Tordo surgia ainda ali Então Dizia-te, cantada por Duarte Mendes. Escrevo às Cidade ficou em 10º (último) lugar, com apenas três pontos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.