DJ Ride

Regressamos hoje ao universo dos Beatbombers, para desta vez “espreitar” os discos de DJ Ride. É músico, DJ, produtor, scratcher, integra e tem igualmente uma obra em nome próprio pela qual editou já vários discos.

Qual foi o primeiro disco que compraste?

CDs… Provavelmente Prodigy ou Beastie boys, não me recordo. Vinil foi o Super Seal do DJ Qbert

E o mais recente…

Madlib & Freddie Gibbs, Bandana

O que procuras juntar mais na tua coleção?

Discos que são importantes para mim, raridades, e sobretudo discos com bons samples.

Um disco pelo qual estejas à procura há já algum tempo.

Tullio de Piscopo –  Suonando la batteria moderna

Um disco pelo qual esperaste anos até que finalmente o encontraste.

D-styles Phantazmagorea e Aphex Twin Drukqs

Limite de preço para comprares um disco… Existe? E é quanto?

Existe, sobretudo agora. Provavelmente o máximo que dei por um disco foi 200 euros , pelo Aphex Twin Drukqs em bom estado

Lojas de eleição em Portugal… 

A Supafly foi sem dúvida a mais importante para mim até hoje.

O teu digging pessoal e profissional leva-te aos mesmos lugares e tipos de procura?

Sim na minha cabeça nem sequer há separação entre o que procuro a nível pessoal e o digging profissional.

Como te manténs informado sobre discos que te possam interessar como colecionador?

Neste momento com mailing lists, canais no Instagram e YouTube. 

Que formatos tens representados na coleção? 

Todos!

Os artistas de quem mais discos tens?

Dj Shadow, Jay Dilla, D-styles, Q-bert, Madlib.

Editoras cujos discos tenhas comprado mesmo sem conhecer os artistas…

Stones Throw, Brain, Strata East, definitive jux, Warp, Ninja Tune.

Uma capa preferida.

Dj Shadow Endtroducing 

Um disco do qual normalmente ninguém gosta e tens como tesouro.

Tenho discos de alguns artistas que definitivamente não são consensuais, mas nada que considere um holy grail.

Como tens arrumados os discos?

Por estilo musical, de uma forma um bocado caótica. 

Um artista que ainda tenhas por explorar…

Gostava de ter a discografia completa do Amon Tobin e Noisia 

Um disco de que antes não gostasses e agora tens entre os preferidos.

Nunca me aconteceu! 

Quando ouves um disco que envolva samples tentas procurar os originais samplados para os escutares depois?

Sempre. alias foi assim que descobri o David Axelrod por exemplo. Já comprei alguns discos dele por saber que foram samplados. Tenho também algumas compilações, algumas white label, com os originais de Jay Dilla e Madlib por exemplo. Ir à procura dos samples de um determinado disco foi o processo que contribuiu mais para a minha educação musical e conhecimento fora da minha zona de conforto.  

Há discos que fixam histórias pessoais de quem os compra. Queres partilhar um desses discos e a respectiva história?

Eu tento comprar discos nas minhas viagens e quando pego neles lembro-me sempre desses lugares/lojas. Não tenho propriamente nenhuma história especial, tirando alguns sítios que me marcaram bastante, como a Supafly em Lisboa, lojas e feiras espalhadas por ai, ou as raridades com que me deparo nas lojas no Japão que é o meu sítio preferido para digging.  Há uma loja incrível que se chama Disc Jam em Tóquio, é usual apanhar o dono a tocar funk/soul e a improvisar por cima com uma talkbox, ele faz também as suas próprias agulhas, já me diverti bastante por lá. 

Um disco menos conhecido que recomendes…

Ricci Rucker Scetchbook – An Introduction To Scratch Music 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.