Contra o racismo… ou um filme sobre como a música tem sabido estar no lado certo da história

Os acontecimentos de 2020 deixam claro que esta é ainda uma luta real e urgente. E talvez por isso parece bem atual (apesar das diferenças de tempo e contexto) o que encontramos em “White Riot”, filme que recorda o movimento ativista dos anos 70 Rock Against Racism. Texto: Nuno Galopim

Se fizermos conta, sobretudo aos grandes acontecimentos e movimentações sociais (e políticas) ocorridas desde a conquista de espaço mediático em plena revolução rock’n’roll, nos anos 50, notaremos que a música, os músicos e quem os escuta com atenção, têm sabido estar no lado certo da história. Veja-se o que aconteceu com as lutas pelos direitos civis ou contra a guerra no Vietname nos anos 60, a mobilização pela luta (global) contra a sida nos anos 90 ou a próprio entendimento da canção popular portuguesa como “uma arma” política antes e logo após a revolução de abril de 74. Entre as grandes causas que a esmagadora maioria das músicas e músicos têm assumido está uma frontal vontade em combater as mais variadas formas de discrimação. E na Inglaterra dos anos 70, perante um cenário de cada vez maior visibilidade (e presença mediática) da National Front, partido de extrema-direita que focava grande parte do seu discurso no evidenciar de um ódio racial (que queria purgar com a expulsão dos não brancos do seu território), músicos e ativistas deram as mãos. Assim nasceu o movimento Rock Against Racism, um espaço de intervenção política e social claramente motivado por um modo de agir através da cultura e da informação. As memórias da sua intervenção, o que os motivou e como combateram (culminando de certa forma com uma contribuição para a derrota da National Front nas eleições de 1979), são o foco de White Riot, documentário de Rubika Shah que toma por título uma canção dos Clash que lembrava que a luta contra o racismo não era só um combate de quem tinha a pele com outra cor. Era também uma luta de quem tinha a pele branca.

Fotógrafos, artistas gráficos e colaboradores de fanzines são aqui quem alimenta o tutano da narrativa. E porquê? Porque foi através de fanzines (antes, está visto, da adesão de publicações como o NME ou o Melody Maker) que começou a ganhar forma um discurso de ativismo contra o racismo mobilizado através da cultura. A música teve aqui um papel central. E em plenos ecos da revolução punk (que tinha igualmente descendências entre adeptos do outro extremo do espectro das ideias) juntaram-se bandas em concertos que rapidamente se multiplicaram pelo país. Através dos fanzines davam-se pistas sobre como organizar eventos sob a égide do movimento Rock Against Racism. Como fazer, quem contactar, que equipamento, que cuidados ter… O rock animava muitas das bandas que aderiam. Mas rapidamente bandas de reggae entraram igualmente em cena. A diversidade morava, assim, no próprio discurso musical.

O documentrário evoca momentos de confrontos na rua, entrevistas de ideólogos de extrema-direita e o modo como os músicos assumiram ser rostos de uma mobilização junto dos mais jovens contra um cenário político ameaçador que parecia pairar sobre o país… O filme não deixa de lembrar, contudo, como foi através de comunidades imigrantes (chegadas de vários pontos da Commonwealth) que o Reino Unido se reerguera depois do esforço de guerra nos anos 40… Mas enfim, as memórias são curtas… E o que vemos em 2020 é mais uma prova desse mal que ainda não conheceu vacina.

As memórias aqui reunidas encaminham-nos para um clímax em abril de 1978, numa manifestação convocada em conjunto pelo movimento Rock Agains Racism e a Anti Fascist League, que levou perto de cem mil de Trafalgar Square ao Victoria Park onde, nessa tarde, atuaram os Clash, Steel Pulse, Sham 69, Tom Robinson ou os X-Ray Spex… Meses depois a National Front sofria um desaire (fatal) nas eleições… O filme reconhece que essa batalha foi ganha. Mas lembra, e com razão, que a luta não terminou.

“White Riot”, de Rubika Shah, passa hoje, pelas 21.30, no Capitólio, integrado na secção Indie Music do festival Indie Lisboa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.