A aproximação de Bowie à sua visão de uma “plastic soul” nos palcos de 1974

Lançado por ocasião do primeiro “drop” da edição de 2020 do Record Store Day, o novo “I’m Only Dancing (The Soul Tour)” completa um olhar panorâmico da Diamond Dogs Tour, antes já retratada em “David Live” e “Cracked Actor – Live Los Angeles 74”. Texto: Nuno Galopim

Entre junho e dezembro de 1974 David Bowie regressou aos palcos num registo bem distinto daquele que tinha caracterizado a Ziggy Stardust Tour pela qual tinha corrido a estrada meses a fio (entre 1972 e 73), fixando aí momentos fulcrais na iconografia de palco do glam rock (que tão bem D.A.Pennebaker captou depois no filme-concerto Ziggy Stardust – The Motion Picture). O regresso aos palcos fazia-se poucas semanas depois da edição de Diamond Dogs, álbum que acaba por traduzir a visão de uma distopia que nascera como alternativa a uma tentativa (fracassada) de criar um musical baseado no 1984 de Orwell. Tão marcante quanto o clima assombrado que dominava o álbum notava-se logo ali, em concreto no tema 1984, a presença de ecos de um interesse por novas formas em ebulição (então ainda longe do mainstream), nomeadamente o disco o que, de certa forma, traduzia uma expressão recente de um tronco comum às referências do próprio Bowie: o R&B… Um primeiro retrato da etapa inicial dessa digressão ganhou forma em David Live que, editado em outubro de 1974, foi então o primeiro registo ao vivo de Bowie a chegar a disco e incluía já uma versão de Knock on Wood, de Eddie Floyd, um “clássico” da colheita de 1967 da Stax Records. Foi precisamente durante a residência perto de Filadélfia que Bowie tomou consciência que havia novas e estimulantes movimentações nos terrenos do R&B… Com o tempo esta curiosidade transformar-se-ia numa visão muito pessoal à qual depois se atribuiu o rótulo “plastic soul” e que começou por se encaminhar rumo ao alinhamento do álbum The Gouster que, contudo, ficou por aquela altura na gaveta, dele acabando antes por nascer o histórico Young Americans (1975), no qual John Lennon surgia como um dos principais colaboradores.

A Diamond Dogs Tour permaneceu na estrada ao mesmo tempo que Bowie descobria estes estímulos, os integrava em canções e levava a estúdio para gravar… Depois de uma etapa inicial, a que ficou registada em David Live, e que se estendeu entre junho e julho pelo Canadá e EUA, seguiu-se uma segunda, de 2 a 16 de setembro, que teve parte do calendário dedicado a sete noites no Universal Amphiteatre, em Los Angeles. Nestes concertos – dos quais nos chegou em 2017 um retrato através do álbum Cracked Actor – Live Los Angeles 74 (edição do Record Store Day desse ano), notava-se já a presença de temas novos então destinados a The Gouster (como John I’m Only Dancing e It’s Gonna Be Me). Juntando gravações feitas em Detroit (20 de outubro) e Nashville (30 de novembro), o novo I’m Only Dancing (The Soul Tour 74) é um disco que completa o retrato da Diamond Dogs Tour. O alinhamento deste novo título – lançado no primeiro “drop” do Record Store Day de 2020 – traduz a terceira etapa da digressão, referida muitas vezes como a Soul Tour, tal era já então evidente a presença de referências da soul no quotidiano (estrada e estúdio) de Bowie. Do projeto (então ainda ativo) do álbum The Gouster há já mais três canções em palco: Can You Hear Me, Somebody Up There Likes Me e Young Americans, todos eles depois transportados, em novas versões, para o álbum de 1975. Há uma citação a Love Me Do dos Beatles nos primeiros compassos de The Jean Genie… E uma versão de It’s Only Rock and Roll (But I Like It) dos Rolling Stones surge a meio de uma abordagem festiva a Diamond Dogs. Antes, também como party number, há um medley no qual encontramos ainda Foot Stompin’ dos The Flairs ou I Wish I Could Shimmy Like My Sister Kate, um standard de jazz dos anos 20. Curiosamente, do alinhamento de Diamond Dogs, os concertos desta etapa final da digressão que supostamente celebrava esse mesmo álbum já só restavam três canções: 1984, Rebel Rebel e Rock’n’Roll With Me

Para completar o retrato deste terceiro disco ao vivo relacionado com a Diamond Dogs Tour vale a pena lembrar os músicos com quem Bowie então subia ao palco: Carlos Alomar (guitarra), Dennis Davies (bateria), Michael Garson (teclas e direção musical), Emir Kassan (baixo), Pablo Rosario (percussão), David Sanborn (saxofone) e Earl Sklick (guitarra). No coro estavam então Ava Cherry, Warren Peace e Robin Clark.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.