Daniel Bacelar / Os Conchas “Caloiros da Canção” (1960)

Um EP juntando duas canções de Daniel Bacelar e outras tantas do duo Os Conchas nasceu da vitória de ambos em categorias distintas do concurso Caloiros da Canção, organizado pela Rádio Renascença. Este é o primeiro disco de rock gravado em Portugal. Texto: Nuno Galopim

Foi em finais de Outubro de 1960 que a história começou. É certo que havia já sinais de vida rock’n’roll portuguesa em finais de 50, nomeadamente com os Babies, banda nascida por Coimbra. Mas em disco, a história do rock português começa a escrever-se a 28 de outubro de 1960. Há precisamente 60 anos, e por conta do concurso Caloiros da Canção lançado pela Rádio Renascença.

Um EP assinalou então a gravação do primeiro episódio da história do rock’n’roll em língua portuguesa. Na sequência de um concurso na rádio, Caloiros da Canção apresentava, num dos lados, duas canções pelo duo Os Conchas (que haviam vencido na categoria “conjuntos”) e, no outro, a “revelação” de Daniel Bacelar. Os primeiros traziam duas versões (uma de Neil Sedaka, a outra dos Everly Brothers), o segundo, muitas vezes apontado como o Ricky Nelson português, estreava-se com os originais Fui Louco Por Ti e Nunca, sendo então acompanhado em estúdio pelo conjunto de Jorge Machado.

Daniel Bacelar, nascido em Lisboa, tinha 17 anos quando ficou na história como o primeiro artista do rock português a editar um disco. A sua carreira teria continuidade logo em 1961 com um segundo EP no qual registava a canção Marcianita. Seguiram-se até 1966 mais cinco EP, três deles com os Gentlemen, não tendo nunca a sua obra (editada entre a Valentim de Carvalho, Marfer e Alvorada) sido alguma vez reunida numa compilação.

Os Conchas nasceram quando o entusiasmo de José Manuel Aguiar de Concha de Almeida e Fernando Alberto Soares Gaspar os levou do futebol (onde se conheceram) para a música. A vitória no concurso Caloiros da Canção deu-lhes direito a gravar um primeiro disco em 1960, mas tal como Daniel Bacelar rapidamente juntaram outros mais à sua discografia, tendo lançado seis EP entre 1961 e 1962, ano em que o serviço militar obrigatório colocou um ponto final à carreira do duo.

Apesar de alguns dos discos da primeira etapa do rock made in Portugal terem ficado depois conhecidos como “ié ié”, na verdade a designação ainda não se aplicava quando em outubro de 1960 surge o EP de estreia de Daniel Bacelar e do duo Os Conchas. Nessa altura era então usada antes a expressão “ritmos modernos” para caracterizar nova “onda” em marcha. O termo “ié ié” seria cunhado algum tempo depois dado o impacte internacional gerado pela entrada em cena dos Beatles, refletindo inclusivamente a designação um som que ficava no ar ao escutar-se o refrão de She Loves You. Aliás, antes dos Beatles os Shadows terão sido uma das grandes referências da primeira geração de “conjuntos” nascidos entre nós. Tanto que, em 1963 (curiosamente o ano de She Loves You) o cinema Roma, em Lisboa, organizou um concurso de bandas do “tipo Shadows”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.