The Birthday Party “The Friend Catcher” (1980)

Se a compilação Pressage tinha revelado um dos episódios mais desinteressantes da (ainda curta) história da 4AD, já o passo seguinte juntaria ao catálogo um dos nomes mais marcantes da primeira fase da vida da editora. Naturais de Melburne, os Boys Next Door tinham editado um álbum de estreia (seria o seu único álbum) em 1979, feito as malas e estavam em 1980 a viver num squat na zona de Earls Court, em Londres. Numa noite em que se apresentavam ao vivo no Moonlight Club, onde nessa mesma ocasião iriam atuar os The Lines, o grupo apresenta-se já como The Birthday Party, o novo nome pelo qual então se apresentavam. Ivo Watts Russel, estava no clube por mero acaso, já que os The Lines tinham por manager um amigo do patrão da 4AD com quem recentemente tinha feito uma viagem a Marrocos. O programa dessa noite tinha como cabeças de cartaz os alemães D.A.F. Mas foram os australianos quem mais impressionou Ivo Watts Russel, que ficou particularmente impressionando com o que ali viu. Daniel Miller, da igualmente emergente Mute Records, tinha já os alemães “no bolso” mas estava igualmente atento aos The Birthday Party. Mas Mick Harvey (um dos mais importantes parceiros de Nick Cave durante anos a fio) chamou Ivo Watts Russel para o concerto seguinte. E a ideia de gravar um primeiro single pela 4AD rapidamente passou da conversa à realidade.

            Entre os temas que os Birthday Party apresentaram nesse segundo concerto a que Ivo Watts Russel assistiu estava The Friend Catcher, uma canção (que já vinha dos tempos dos Boys Next Door) que o grupo tinha já gravado em Melburne. Com as fitas na mão, juntando ainda a fotografia a preto e branco de um bolo (para a capa), os músicos apareceram na loja da Rough Trade no fim do verão, e o processo avançou rapidamente. Em setembro, antes ainda de editado o single, o grupo passou pelos estúdios da BBC para gravar uma sessão para o programa de John Peel. E em outubro o single chegou ao mercado, juntando ainda a The Friend Catcher os temas Waving My Arms e Catman.

            O som dos Birthday Party traduzia ecos próximos do punk e da new wave, mas propunha um caminho diferente do que era então seguido por muitas bandas britânicas, juntando um sentido intenso, quase dramatúrgico, na interpretação vocal e um músculo herdado dos blues que vincavam marcas de identidade. Depois dos Bauhaus, a 4AD encontrava aqui um novo alicerce maior para a construção dos primeiros passos do seu catálogo. – N.G.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.