Uma oportunidade perdida para retratar um fenómeno que cresceu na América de Trump

Em “American Rapstar”, que passa hoje no Porto Post Doc, o realizador Justin Staples dá-nos a conhecer uma cena musical que fez nascer jovens estrelas milionárias na era do ‘streaming’ mas não aproveita para fazer o retrato social e político que a gerou. Texto: Nuno Galopim

Um dia depois do tão esteticamente maravilhoso quanto esclarecedor Dark City: Beneath The Beat, a secção Transmission do Porto Post Doc apresenta um olhar sobre outra realidade atual nascida da cultura hip hop nos Estados Unidos. E tanto o modo de fazer os retratos como a realidade apresentada não podiam ser mais diferentes. Em Dark City: Beneath The Beat, focado em cenas que emergem da street culture de Baltimore (no Maryland) a realizadora TT The Artist cativa-nos pela música e pelas imagens para nos revelar uma cena musical que nasce num espaço socialmente desvalorizado (quase ignorado) e que, através da música, procura formas de inclusão e de relacionamento entre a(s) comunidade(s). O sucesso mede-se aqui pela concretização das ideias, pela arte de fazer e de apresentar. E não damos por ninguém a celebrar feitos milionários ou celebrar a cultura da fama e do dinheiro. A música que vem das ruas de Baltimore nasce de uma luta pela integração, por um sentido de vida, pela conquista de um lugar. E o filme presta-lhe terna, bela e séria homenagem. American Rapstar, de Justin Staple, é algo completamente diferente. A atenção aqui está focada para um universo que emergiu na era do streaming, mostrando casos de sucesso fulminante (e milionário) de jovens rappers – como Lil Pump, que tão débil figura fez recentemente num comício de Trump e, ao que parece, nem sequer estava recenciado para votar…

            A contextualização é jornalisticamente bem defendida, contando sobretudo com a ajuda das palavras de um jornalista do New York Times que explica como surgiu este fenómeno e nota que a plataforma Soundcloud teve aqui uma relevância maior, já que foi a eleita destes músicos e dos que os escutam. Há até quem chame ‘soudcloud rap’ a este som porque, mais do que ter um berço com uma geografia física, ele emerge virtualmente nessa plataforma. Além do streaming (em detrimento da clássica “edição”), e de um alheamento face à história do próprio hip hop, a opção pela comunicação através das redes sociais ao invés dos media tradicionais é uma das características deste universo, notando o documentário mais algumas características comuns a muitos dos que ali emergiram: regimes de prescrições de medicações, tatuagens faciais e, como nota uma muito jovem rapper (que tem a voz mais autocrítica entre os muitos entrevistados), muitos tentam apresentar a coisa “mais estúpida” para se fazer notar. O documentário nota o fascínio com que todos estes jovens músicos falam de um sucesso que se manifesta em dólares. E ao mesmo tempo observa a tragédia anunciada que pairava sobre alguns deles, nomeadamente casos como Lil Peep ou XXXTentacion, vítimas de mortes precoces respetivamente em 2017 e 2018.

            O realizador deixa-se fascinar por estas histórias de sucesso e de tragédia. Mas peca depois ao não perseguir algumas pontas que acabam soltas… Como quando se nota que mais do que o que se diz a forma como se apresentam aqui é mais notada… E só aí estava um belo ponto para aprofundar um olhar (mais crítico) sobre o sentido niilista que parece brotar desta cena. Uma cena de rebeldia partilhada, de fulgor comentado, se choque e sensações, vibrante nos dólares mas aparentemente vazia de futuro. Não se leia aqui um juízo de valor nestas palavras. Mas o realizador, perante uma realidade social com muito mais que se lhe diga, fica ofuscado pelas luzes e brilhos e American Rapstar acaba por não aprofundar o retrato, pouco mais fazendo que enumerar os casos e nomes, mal olhando para eles fora dos palcos onde encenam uma fama milionária com um tempo de vida incerto pela frente. E explorar esse vazio por detrás do ruído daria outra dimensão a um filme que é oportuno a apontar um caso, mas falha em olhar para ele com maior profundidade. Só de notar que esta é uma realidade da cultura juvenil que ganhou este fôlego na América de Trump era coisa que daria pano para mangas…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.