Electronic “Electronic” (1991)

Eram uma dupla, mas com aquela dimensão mítica dos chamados supergrupos. Até porque, afinal, juntavam um ex-elemento dos The Smiths à voz dos New Order. Johnny Marr (o guitarrista dos Smiths) e Bernard Sumner (guitarrista dos Joy Division e, depois, vocalista e guitarrista dos New Order) tinham-se já cruzado em 1984 por ocasião de uma colaboração do primeiro num tema dos Quango Quango que o segundo produziu. Quis a linha de vida de cada um dos músicos que um novo cruzamento acontecesse mais perto do fim da década, já depois da separação dos Smiths. A parceria começou por nascer com a vontade de ser uma experiência anónima, pelo menos durante o tempo que levasse alguém a saber quem estaria por detrás da música. Mas o envolvimento de Neil Tennant, dos Pet Shop Boys, que soube do projeto através de um designer gráfico elevou inevitavelmente a fasquia para um patamar ainda menos fácil de “esconder”…

Em dezembro de 1989, com Getting Away With It, uma canção no mínimo perfeita (e que podemos considerar como o hino de despedida dos oitentas), apresentavam-se os Electronic. A canção cruzava formas e cores da tradição pop com o fulgor de uma alma animada pelas recentes agitações nos espaços da música de dança (nomeadamente a cultura house). Foi um êxito global, e o sonho do eventual anonimato definitivamente arquivado…

O passo seguinte chegaria apenas ano e meio depois, já na primavera de 1991. Confirmando em pleno as premissas lançadas pelo single de estreia (entretanto incluído no disco), o álbum de apresentação do projeto – e ao qual chamaram simplesmente Electronic – propunha um mais extenso e profundo programa de encontros entre as heranças da pop, a presença das guitarras e ecos presentes escutados entre a música de dança. Sumner e Marr somaram aqui um conjunto impressionante de canções (decididamente mais inspiradas que as que os New Order registariam pouco depois em Republic), mostrando o alinhamento horizontes invulgarmente largos perante tão evidente coesão no plano das ideias.

Estamos talvez em terreno mais próximo das vivências entre programações da música dos New Order nos anos 80. O regresso de Neil Tennant, desta vez acompanhado por Chris Lowe, projetava depois no dueto Patience of A Saint uma evidente ponte para com a pop luminosa (e sempre inteligente) dos Pet Shop Boys.

Com o tempo, e os dois álbuns que se seguiram – Raise The Pressure (1996) e Twisted Tenderness (1999) – o fulgor esmoreceu e aquele momento de invulgar inspiração não se repetiu. O álbum de estreia teve, 20 anos depois, uma versão especial com o remasterizado e um segundo disco com extras, entre os quais versões alternativas, instrumentais, lados B, juntando ainda Disappointed, single de 1992, criado para a banda sonora de Cool World, que representou a terceira colaboração de Neil Tennnat com Bernard Sumner e Johnny Marr.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.