47. Ney Matogrosso “Água do Céu – Pássaro” (1975)

Este é o número 47 da lista “100 Discos Daqueles que Raramente Aparecem nas Listas”… Foi editado em 1975 e representou, depois de uma importante etapa vivida entre os Secos & Molhados, a estreia a solo de Ney Matogrosso. Texto: Nuno Galopim

Depois de um envolvimento relativamente tardio com a música (enquanto saída profissional), e tendo entretanto afirmado já a criação de um espaço artístico seu através da sua presença na etapa inicial de vida dos Secos & Molhados – pelos quais gravou dois álbuns absolutamente marcantes entre 1973 e 74 – Ney Matogrosso deu o primeiro passo num percurso discográfico a solo precisamente depois de separado o trio que assinalara momentos musical, lírica e performativamente subversivos que acrescentaram valores, visões e possibilidades à construção de novas identidades no espaço da música brasileira. Um ano depois de um segundo álbum editado pelos Secos & Molhados (que não conseguiu o mesmo impacte do primeiro, embora esteja longe de ser um feito menor), Ney Matogrosso levava consigo para a sua estreia a solo algumas heranças diretas do trabalho que então tinha partilhado com João Ricardo e Gerson Conrad, ou seja, um gosto em explorar caminhos que partiam de estéticas em vigor nos planos do rock de então, mas que abriam horizontes para descobrir não apenas o quando, o onde e o como do Brasil de então, mas também a força maior do “quem” que dava voz à música.

            A capa (impressa em papelão) do álbum de estreia de Ney Matogrosso é desde logo um programa que tanto mostra heranças diretas da etapa anterior como lança caminhos que o próprio continuaria depois a explorar. Tribalismo, ligações a verdades ancestrais daqueles lugares, demandas interiores e a capacidade em dialogar com várias frentes da invenção estética de então, com pistas lançadas por autores diferentes (entre os quais Milton Nascimento ou João Bosco), juntaram em Água do Céu – Pássaro os elementos certos para que um caminho progressivamente mais demarcado e pessoal se começasse a desenhar daqui em diante.

            Mas convenhamos que logo aqui, neste momento de “Ipiranga” a 33 rotações por minuto, já encontramos em Ney Matogrosso uma voz entregue a um caminho seu. Sons de selva (num trabalho de sonoplastia que sabe encenar o espaço) abrem um alinhamento, que logo nos coloca perante o fulgor de uma voz que nos canta, num grito visceral… “eu sou o homem de neanderthal”… A canção Homem de Neanderthal, de facto, não deixa ninguém indiferente, assimilando uma lógica com afinidades com o rock progressivo e mais experimental então em voga em algumas frentes da invenção. Mas desde logo deixava claras as marcas de personalidade e identidade de quem se apresentava (o que a letra de resto sublinhava). Ao prog juntam-se ecos do psicadelismo, aventuras de maior lirismo, flirts jazzy, uma versão (magnífica) de Mãe Preta (que, entretanto, Amália tinha celebrizado como Barco Negro) e um episódio de fulgor político maior em América do Sul, talvez a canção do álbum que mais seguramente venceu os desafios do tempo.

            Com edição original no Brasil em 1975 (que incluía um single de sete polegadas como bónus) e igualmente lançado em Portugal por esses dias, Água do Céu – Pássaro teve uma edição em CD já depois da viragem do século mas, apesar das recentes reedições em vinil dos dois primeiros álbuns dos Secos & Molhados, ainda não conheceu noca vida em vinil. O facto de não ter sido um êxito comercial significativo quando surgiu originalmente faz das edições em vinil da época peças desejadas por colecionadores. Mas a excelência do álbum já justificava uma reedição que o torne mais “acessível”… Vá lá que se pode escutar nas plataformas digitais. E vale a pena (re)encontrar a voz de Ney Matogrosso num momento em que a sua música está mais próxima de um espaço rock experimental do que dos caminhos (não menos interessantes, claro) da MPB que outros discos depois explorariam.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.