Wendy Carlos “Digital Moonscapes” (1984)

Depois de criada e gravada a banda sonora de “Tron” Wendy Carlos sentiu vontade de voltar a trabalhar com as possibilidades do som de uma orquestra, porém, sob a sua visão. Para tal juntou ao trabalho de composição um outro, substancialmente mais laborioso, a que chamou ‘digital syntesis’ e que correspondia a uma ideia de recriação, com eletrónicas, dos sons dos

vários instrumentos de uma orquestra.

         Assim nasceu “Digital Moonscapes”, editado uma vez mais pela CBS Masterworks e com créditos de produção apenas entregues a Wendy Carlos. O álbum, cujo título completo é “Digital Moonscapes – An Evolutionary Synthesizer Tour de Force” junta duas obras da compositora, ambas com o cosmos como fonte de inspiração. “Cosmological Impressions” (em três partes) abre o alinhamento, seguindo-se a peça que dá título ao disco e que, dividida em nove segmentos, “retrata” nove grandes luas do sistema solar: Lua, Phobos e Deimos (que orbitam em torno de Marte), Ganimedes, Europa, Io e Callisto (Júpiter, conhecidas como as “luas de Galileu”), Rhea, Titan e Iapetus (Saturno).

         Se bem que parte do discurso criado em volta deste álbum se debruce (e com justiça) sobre o método de trabalho, que envolveu aquilo a que Wendy Carlos chamaria LSI Orchestra (uma vez que usou circuitos de larga escala, ou seja LSI, de “large scale integration”), a música que escutamos em “Digital Moonscapes” revela uma abordagem a visões de “grande escala” que seguem e aprofundam trilhos já ensaiados em alguns momentos da banda sonora de “Tron”. Porém não espanta que muitas abordagens a este disco comecem por centrar primeiras atenções no trabalho de “síntese digital” do som dos instrumentos e a sua eventual proximidade (ou nem por isso) com os sons reais. Esse debate sobre “realismo” talvez fizesse sentido quando o álbum surgiu editado. Hoje, quase 40 anos depois, mais do que “avaliar” a precisão na recriação digital do som de uma orquestra, “Digital Moonscapes” serve não só para aferir uma nova dimensão nas visões de Wendy Carlos como compositora e serve de ponto de partida para reflexões sobre como os pioneiros imaginaram o que seria o futuro da música eletrónica. O tempo mostrou que o caminho não seria o do mimetismo mas antes o da construção de realidades próprias, o que não faz deste disco uma experiência fracassada mas, antes, um belo exercício exploratório das possibilidades que então se levantavam.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.