51. Automat “Automat” (1978)

Este é o número 50 da lista “100 Discos Daqueles que Raramente Aparecem nas Listas”…  Editado em 1978, nascido da única parceria assumida entre os italianos Romano Musumarra e Claudio Gizzi, “Automat” é peça de referência do space disco de primeira geração. Texto: Nuno Galopim

Em finais dos anos 70, do flirt então vivido entre as possibilidades instrumentais levantadas pelos novos sintetizadores, o boom do disco sound e sonhos temáticos futuristas, num tempo em que o sucesso de Star Wars e Encontros Imediatos de Terceiro Grau abria uma nova etapa na história pop(usar) do cinema de ficção científica, nascia uma música de dança com sabor sci-fi.

Com as suas primeiras expressões há cerca de 45 anos, o space disco na verdade não foi um caso arrumado na história da música de dança. E basta ver os exemplos, já no século XXI, da obra de um Lindstrom, o renovado interesse maior pelo legado de Patrick Cowley, o surgimento de novas antologias e opções na banda sonora de vários filmes (entre eles Uma Nova Amiga, de François Ozon), para reparar como este universo continua a cativar atenções. 

Um dos mais significativos projetos em álbum no universo do space disco de primeira geração, Automat é na verdade uma aventura a duas vozes, juntando o trabalho dos italianos Romano Musumarra e Claudio Gizzi. Ideia do primeiro, o disco foi produzido em 1977 ainda sob o impacte das primeiras visões sci-fi que Star Wars lançou na música e teve da Harvest (etiqueta da EMI) uma opinião favorável, quando tudo parecia indicar que a edição de um álbum instrumental do género seria muito arriscada. Curiosamente um dos primeiros a escutar o álbum, ainda antes de editado, foi Jean Michel Jarre.

O álbum, todo ele instrumental, nasceu das possibilidades lançadas pelo protótipo de um novo sintetizador analógico monofónico, o MCS70. O disco está dividido em duas partes, literalmente correspondendo queda qual a uma das suas faces. No lado A, assinado por Musumarra, a ‘suite’ que dá título ao álbum evolui, em três partes, ao longo de quase 17 minutos. O lado B junta mais três faixas, estas assinadas por Gizzi. A juntar ambas as faces uma narrativa centrada na ideia de que “no princípio havia a máquina”, o ponto de partida para um cenário sci-fi que a própria capa depois ajudava a materializar. A música ajudava depois a transportar as geometria mais metrológicas de algum krautrock para dimensões onde um melodiomo pop e a pulsação dos ritmos desenharam momentos que de certa forma ajudariam a lançar bases para linguagens que depois se tornaram dominantes entre finais dos anos 70 e a alvorada dos 80.

Gravado em apenas quatro semanas, Automat acabaria por ser a única parceria registada pelos dois músicos. O disco gerou algum impacte no momento do lançamento, mas com o tempo a sua memória acabou arrumada nas prateleiras do quase esquecimento. Houve apenas uma primeira reedição em CD já depois da viragem do milénio e uma segunda, mais recente, em 2019, a coincidir aí com uma nova prensagem em vinil na Itália. Droid, o tema que abre o lado B, foi editado como single, conquistando então alguma visibilidade que, contudo, acabaria destinada àquele espaço em tempos usado como separador de televisão ou trilha… Mecadance, que fecha o lado B, nota afinidades com minimalistas americanos (em particular Philip Glass). Já a suite que dá título ao álbum é um dos grandes monumentos da eletrónica (pop) dos anos 70.  À distância de todo este tempo, vale a pena reencontrar este disco como um dos mais sólidos do space disco de primeira geração.

“Automat”, da dupla Automat, teve edição original em 1977, pela EMI.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.