Yazoo “Upstairs At Eric’s” (1982)

Editado há 40 anos, em finais de agosto de 1982, “Upstairs at Eric’s” fixou o fulgor dos primeiros encontros entre Vince Clarke e Alison Moyet. Par improvável, os Yazoo teriam ainda um segundo álbum, assinando assim uma obra curta, mas marcante. Texto: Nuno Galopim

Foi uma aventura breve. Muito breve mesmo, feita apenas de dois álbuns e um punhado de singles editados entre 1982 e 83. Mas foi uma das mais vibrantes histórias dessa primeira geração que fez das eletrónicas uma ferramenta central para reinventar a pop em solo britânico na alvorada dos oitentas. Os Yazoo eram Vince Clarke (elemento da formação original dos Depeche Mode que entretanto deixara o grupo após a gravação do seu álbum de estreia Speak & Spell, gravado em 1981) e Alison Moyet, então uma voz estreante no mundo dos discos (apesar de ter já passado por bandas punk em Basildon, onde ambos viviam). Ele trazia a convivência com uma nova geração de teclados que então descobriam as formas da música pop. Ela, dona de uma voz possante, revelava, apesar da “escola” punk, uma afinidade com os blues e  a música soul.

Vince, recém saído dos Depeche Mode, procurava mais uma carreira na composição e gravação que no regime habitual de disco e digressão… E, ao mesmo tempo, uma voz que lhe garantisse marcas de afirmação de algo novo face a um panorama pop no qual o recurso à electrónica não era já absoluta novidade. Encontrou a voz desejada numa vizinha, antiga colega de escola de alguns elementos dos Depeche Mode. Tinham a mesma idade, viviam na mesma cidade, tinham até passado pela mesma escola de música nas manhãs de sábado (apesar de nunca terem estado nas mesmas salas de aula)… Um dia, com uma canção nova na mão, procurando mostrar à editora que valia a pena mante-lo sob contrato, Vince Clarke telefonou a Alison Moyet. Gravaram a maquete de Only You… Conta a mitologia que Daniel Miller, o patrão da editora, não se manifestou por aí além no primeiro contacto com a canção. Mas acabou por dar o sim. E na hora de gravar o single pensaram (e bem) que a canção que tinham para o lado B era boa demais para ali a “esconder”. Deixaram assim Don’t Go para mais adiante… E rapidamente criaram Situation

Estrearam-se assim com Only You, uma balada eletrónica que virou clássico instantâneo em março de 1982, surgindo no lado B o pungente Situation que ressoaria nas pistas de dança (sobretudo no outro lado do Atlântico) e conheceria mais tarde uma segunda vida… Ao single de estreia fazem então seguir o antes adiado Don’t Go, uma canção que explora uma visão pop mais dançável. Na verdade, num ápice, logo após o impacte de Only You, surgiu a ideia de gravar um álbum, registado no estúdio do produtor Eric Ratcliffe (daí o título Upstairs At Eric’s), onde Vince Clarke tinha trabalhado antes com os Depeche Mode. Editado em agosto de 1982. O disco revelou haver nos Yazoo uma banda mais apostada em experimentar ideias que em servir ideais de carreira, dividindo o alinhamento entre momentos de irresistível apelo pop e ensaios com uma vertigem mais experimental, revelando aí interesse de Vince Clarke pela pré-história da música electrónica (ou seja, antes da pop).

Upstairs At Eric’s mostrou, portanto, que havia na música dos Yazoo mais que uma mera vontade em desenhar linhas pop claras e polidas, nas entrelinhas passando essa pulsão de maior ousadia formal e com vontade de, ocasionalmente, ousar ir além dos limites mais convencionais da canção pop. E é de resto neste jogo de contrastes entre a ousadia exploratória e o focar de luzes em formas pop grandiosas que se afirma a personalidade da música dos Yazoo, num todo no qual a voz de Alison Moyet tem naturalmente um papel igualmente determinante, sendo ainda importante referir um jogo de compelentaridades também na escrita, com a vocalista a assinar quatro das 11 canções do alinhamento, entre as quais a sombria Winter Kills ou Goodbye 70’s, um festivo hino de despedida (sem nostalgia) de algumas memórias recentes da vida em solo britânico em finais da década anterior.

A diferença de personalidades e de objectivos, e própria vontade de Vince Clarke em não se fixar necessariamente (por aqueles dias) no formato de uma banda com formação fixa, conduziu à separação do grupo pouco mais de um ano depois, antes mesmo do lançamento de You And Me Both, segundo álbum que completou (na perfeição) muitas das ideias entretanto aqui lançadas. Vince Clarke passou por projetos pontuais, mas em 1985 acabaria por encontrar uma parceria segura (e longeva) em Andy Bell, a bordo dos Erasure. Por seu lado, Alison Moyet desenvolveu um percurso a solo (que na verdade esmoreceu mediatamente a caminho do final dos anos 80). Reuniram-se mais tarde para uma digressão, que resolveu também as dores e memórias pessoais daquela brusca separação em 1983.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.