Amália Rodrigues, “O Senhor Extraterrestre” (1982)

Lado A: O Senhor Extraterrestre

Lado B: Amigo Brasileiro

Valentim de Carvalho (1982)

Apesar de uma histórica colaboração em disco com o saxofonista de jazz Don Byas ou de incursões pelo universo da Broadway, o (literalmente) mais alienígena dos discos de Amália Rodrigues é um máxi-single, em vinil amarelo, editado em 1982. O disco apresentava a gravação de duas canções da autoria de Carlos Paião: Amigo Brasileriro no lado B e, no lado A, e a dar título ao disco O Senhor Extraterrestre.

Canção pop, com sintetizadores nos arranjos, mas claramente enraizada numa busca de ligações com o folclore, não deixa de ter na interpretação de Amália um cunho fadista, que amplifica mais ainda o tom invulgar de toda a construção de uma ideia bem humorada, mas atípica e, de facto, algo caída do céu, editada no ano em que aos cinemas chegava o filme E.T. – O Extraterrestre, de Steven Spielberg.

Com música e letra de Carlos Paião, Amália canta…

Noutro dia estremeci
quando abri a porta e vi
um grandessíssimo OVNI
pousado no meu quintal.

E, mais adiante,…

E eu queria saber também
se na terra donde vem
não conhece lá ninguém
que me arranje bacalhau.

Aqui a lembrar tempos de difícil acesso ao bacalhau, que então faziam a notícia entre nós.

Numa entrevista, que Ramiro Guiñazú cita no seu livro Amália no Mundo, a fadista explica, sobre esta canção que não é o seu “tipo de cantiga”, acrescentando logo ela mesma que também não sabe “bem qual é o seu tipo”. Conta que esta canção foi uma “coisa” que a divertiu, mas que “ficou mal gravada”. E diz ainda: “A letra não tem responsabilidade nenhuma, a música também não. Nem eu…”.

Apesar de apresentada na televisão (com magnífico aparato, num programa de Júlio Isidro, encenando um momento em que canta ao estender a roupa) e de recriada, a pedido da plateia, numa atuação na Grande Noite do Fado, O Senhor Extraterrestre foi um disco que passou relativamente a leste das atenções tanto para muitos dos admiradores de Amália como, sobretudo, para o grande mercado em geral.

Contudo O Senhor Extraterrestre transformou-se com o tempo numa peça de culto. E anos depois, num disco de tributo a Carlos Paião, os Mesa fizeram uma bela versão desta canção. Gisela João, depois, deu-lhe mais uma vida no álbum Nua, de 2016.

2 thoughts

  1. No texto não se refere qualquer ligação com o filme ET mas terá sido mesmo uma mera coincidência. Parece que o disco já tinha sido gravado em 1981 e foi guardado para ser editado já em 1982. Outra curiosidade é que o grupo Paião (que inclui JP Coimbra) também regravou o tema no disco de tributo recente.

    Gostar

    1. Sim é uma coincidência. O texto refere uma obtra “editada no ano em que aos cinemas chegava o filme E.T. – O Extraterrestre, de Steven Spielberg” e não uma relação de influência. O que há de comum entre ambos? O facto de, depois do impacte global de “Star Wars” e “Encontros Imediatos do Terceiro Grau” (ambos de 1977) as histórias de ficção científica terem entrado definitivamente na cultura mainstream… E em 1982 tanto Amália como Spielberg lidam com… estraterrestres. Só isso. Quanto a Paião é mais uma versão sim. E novamente numa banda com o JP Coimbra. PS. O projeto Paião nasceu no FC 2018 (e cruzo-me aí com essa história)…

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.