Velvet Record (Lisboa)

Uma nova loja de discos acaba de nascer em Lisboa. A Velvet Record mora na Gare do Oriente, a metros de uma feira de discos e livros que, com alguma regularidade, Custódio Simão ali tem mantido nos últimos anos. O espaço corresponde a uma antiga lavandaria e sofreu profundas alterações num conjunto de obras lançadas nos últimos três meses. Abriu há poucos dias e, aos poucos, está a ganhar forma.

O espaço está bem aproveitado, apresentando uma zona para CD (que destaca o fado mas também outras formas da música portuguesa e junta música ainda outras geografias e géneros), uma outra dedicada a livros em segunda mão, um grande cabide com T-shirts (de merchandising oficial de bandas), deixando todo o espaço central da loja para ilhas literalmente cheias de discos em vinil. O vinil que ali encontramos é usado, distribuído em secções distintas para música portuguesa, brasileira, africana, francesa, pop/rock, independente, punk, metal, jazz… Os singles serão brevemente para ali transferidos do local que atualmente ocupam na feira no exterior da loja.

Custódio nota que esta loja serve vários públicos, não esquecendo o colecionismo. Os 45 rotações (a seleção é variada) representam precisamente uma das apostas da loja para colecionismo. Vão estar arrumados em caixas nas ilhas centrais sob o vinil de 12 polegadas.

Nos vários formatos há na loja “as bandas importantes e colecionáveis”. Mas o responsável por este espaço sugere que alguém que procure um ou outro disco em particular o contacte de antemão já que na outra loja que tem no Pinhal Novo “é muito provável que o consiga encontrar e o tenha aqui um ou dois dias depois”.  

Custódio prefere fazer vendas em pessoa às soluções online. E confessa que gosta de conversar com quem aparece na loja. “Isso é aquela parte a que eu chamo o barbam, a confissão, o padre, falarmos… Há todos os casos, tanto estrangeiros como portugueses. Como o meu background foi no estrangeiro tenho colecionadores amigos de há 30 anos em todas as partes da Europa”. Custódio, que também é colecionador (Bowie é um dos artistas que coleciona), acrescenta ainda que “o colecionador gosta de falar com alguém que entenda a mesma língua”.

A feira vai passar a existir apenas três meses por ano

A feira vai existir no espaço que tem ocupado até ao fim do mês e regressará apenas em algumas ocasiões no futuro, sobretudo nos meses de verão em que a gare conhece uma movimentação ainda maior. “Em vez se seis vai passar a estar ali três meses por ano, mas a loja estará cá em permanência”. Os anos que a feira ali se manteve criaram um público, diz Custódio, até mesmo entre viajantes que “repetem férias perguntam, antes de vir, se a feira está aberta e daí a ideia de ter a loja em permanência”. O público estrangeiro procura “bastante o vinil”, acrescenta.

Custódio já teve antes uma loja em Lisboa, mas o preço elevado da renda e a falta de tempo levaram-no a encerrar o espaço, mantendo, contudo o que tem no Pinhal Novo. Começou também a fazer feiras por todo o país e lá fora, razões que acentuaram a necessidade de fechar a loja que antes tinha em Lisboa. Agora, vários anos depois, a Velvet Record volta a tê-lo, em permanência, na cidade.

Velvet Records

Gare do Oriente, Lisboa

Horário:

Das 10.00 às 19.30 de segunda a sábado

Encerra aos domingos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.